A supressão de Ana

de 2011

Em Resumo de Ana e Ciro, as duas partes que compõem a obra de Modesto Carone, relata-se a história de mãe e filho, narrada pelo neto da primeira e sobrinho do segundo.  Ana nasceu pobre, e ao virar órfã, foi “adotada” por uma senhora, indo lá trabalhar em serviços domésticos e como babá. Mais tarde, ela trabalharia como governanta em uma casa em São Paulo, onde conheceria a ópera e se apaixonaria pelo que ela representava. Pela vida toda almejaria sair arrumada elegantemente, para freqüentar os espaços mais elitizados de São Paulo, desejo que não seria compartilhado por seu marido. Apesar de abortar os primeiros filhos, ela enfim consegue dar luz à Lazinha, mãe do narrador. Além dela, viriam Zilda e Ciro. A trajetória de Ana vai ficando cada vez mais melancólica, à medida em que seus desentendimentos com o marido crescem e ela vê afastados seus sonhos. Ela sofre violência doméstica, e sofre também com a falência de seu marido, que passa a ficar cada vez mais ausente, indo trabalhar como vendedor ambulante de remédios. Cada vez mais entregue à bebida, Ana vai se afundando irrecuperavelmente.

Já Ciro, filho desprezado pela mãe e pelas irmãs, passa a acompanhar seu pai nas viagens logo cedo. Sua história não será muito mais feliz tampouco. Sua vida é toda de dificuldades, embora por alguns raros momentos sua vida se encaminhasse como quando passou a prestar serviços de gráfica. No final, ele volta a ser um vendedor ambulante pela rua, como no começo de sua vida com seu pai. Também Ana termina, de certa forma, como começou: sozinha e pobre.

Ambas as trajetórias somam quase um século inteiro, em um período de intensa modernização e industrialização do Brasil. No entanto, ao contrário desse pano de fundo de dinamicidade e mudanças, as personagens parecem estagnadas. Quando há movimento, ele é circular: volta-se sempre ao ponto inicial. Assim, enquanto o narrador descreve em minúcias as mudanças ocorridas nas cidades (São Paulo e Sorocaba), cita os postes da Light (empresa que implantaria a energia elétrica em São Paulo e que virou o símbolo da modernização no sudeste), as personagens, ainda que se desloquem de lugares e de situações, permanecem, ao fim, na mesma condição de pobreza.

A tristeza e melancolia por que passam as personagens se contrasta com o tom extremamente seco e direto do narrador. Embora o narrador seja subjetivo, e se identifique na história como neto de Ana e sobrinho de Ciro, o relato é objetivo. Inclusive, não é por acaso que se escreve aqui “relato”: o texto chega a tal ponto que às vezes mais parece um relatório, uma seqüência de fatos que vão se acumulando e formando o resumo da vida de ambas as personagens, mas com muito pouco espaço para qualquer floreio a mais de palavras. Nos momentos mais emotivos, em que nos preparamos para sentir o sofrimento de Ana ou de Ciro, a palavra nos corta, ríspida, e nos leva ao próximo fato narrado. A narrativa não faz curvas, meneios ou voltas, mas segue retilínea e impassível.

Talvez seja só através desse corte objetivo que personagens como as do livro possam por passar pela dura vida que os abismos entre classes sociais no Brasil lhes impuseram. Afinal, diante da sucessão de infortúnios e dificuldades, conter a subjetividade torna-se um meio de vida. E é assim que Ana suporta o seu trabalho quase que escravo na casa da senhora em Sorocaba e depois suas desilusões em seu casamento, e é assim que Ciro anda todos os dias pela cidade tentando vender a bebida que, ironicamente, tinha sido a que levara sua mãe à desgraça. Por meio da supressão do que é mais subjetivo, assim como ocorre no texto de Modesto Carone, Anas e Ciros do Brasil inteiro vivem nessa condição de invisibilidade social e de estagnação. Não é que eles não sintam, apenas não podem dar vazão a tudo que sentem.

Assim, Modesto Carone faz um retrato sensível, ainda que com o estilo seco, da vida de Ana e Ciro. E é um retrato ainda marcado por um realismo que às vezes nos faz pensar que se trata de uma reportagem, ou um relato biográfico. De fato, há certos elementos da história que são reais, como o próprio autor já afirmou em entrevista. Além disso, a foto que dá a capa ao livro (um equilibrista em Sorocaba) foi feita pelo pai do autor e, de fato, a família dele é de Sorocaba. Um livro que à primeira vista pode parecer muito duro na forma, contém, na verdade, uma suavidade comovente ao nos fazer acompanhar sem pausas e sem alívios histórias de vida tão duras e tristes.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: